Back up – Aplicação prática

O Backup é uma parte crítica e muito importante para os departamentos de TI das empresas.

O Backup é uma parte crítica e muito importante para os departamentos de TI das empresas. Este serviço se resume em uma rotina constante que é executada, na maioria das vezes em background, ou seja, é executada sem que ninguém fique sabendo.

Um boa rotina/plano de backup minimiza o downtime (tempo de indisponibilidade do serviço ou software), minimiza a sobrecarga e diminui a ocorrência de perda de dados.

Existem duas formas simples de se realizar um backup de um sistema: manualmente ou automaticamente. Manualmente custa tempo (homem/hora), recurso de máquina e precisa ser lembrando pelo técnico a cada iteração. Já da forma automática (mais utilizada) é realizada, como dito anteriormente, em background e automaticamente, pelo próprio sistema operacional ou software terceirizado em períodos pré-determinados.

Pode-se também aplicar a prática de backup utilizando um Cluster de alta disponibilidade, onde este é formado por um conjunto de computadores, que utiliza um tipo especial de sistema operacional classificado como sistema distribuído, podendo detectar erros e assumir o sistema por outra máquina do conjunto. Contudo, caso haja falha de energia este método pode sofrer perdas, devido ao conjunto pertencer a mesma rede.  Outra forma de se realizar backup de suas informações é utilizando o conceite de RAID (Conjunto Redundante de Discos Independentes), ou seja, pode-se utilizar dois ou mais discos para que um seja o espelho do outro, tendo assim sempre uma cópia das informações prevenindo perdas caso haja uma falha no disco. Entretanto, caso também haja uma falha de energia ou falha no servidor, podem ocorrer perdas.

Atualmente o próprio sistema operacional hoje utiliza técnicas para backup, como o “Shadow Copy” do Windows, que permite ao usuário restaurar suas informações, softwares e configurações até uma data definida.  As tarefas de backups são muito importantes, contudo, mais importante que realizar um backup é saber onde será armazenado. Indica-se guardar os backups dos seus dados em outra máquina de sua estrutura, hd externo/pen drive ou até na nuvem, tendo em vista o crescimento desta tecnologia e redundância que esta oferece, contudo é necessário gerenciar de forma correta o uso de sua banda de internet para que outros serviços que utilizam desta não sejam prejudicados. A verificação da integridade destes backups também é primordial para o sucesso de toda a operação.

Recomenda-se sempre ter um servidor reserva, seja ele virtual ou físico. Prepare uma imagem do sistema operacional e faça clones. No caso da virtualização, quando um desastre ocorre, basta que o servidor virtual seja refeito novamente (à partir de uma imagem ou clone). Já o servidor físico, é necessário ter peças reservas ou reativar um servidor antigo mas que ainda funciona, antecipe-se e deixe tudo pronto em caso de emergência.

Uma boa prática para que você não sofra com falta de espaço é, sempre que possível, reduzir o tamanho do seu backup retirando arquivos duplicados. Enquanto os usuários inserem informações no seu sistema e salvam na rede, o backup vai ficando cada vez maior. Além disto, deve-se estar atento à possibilidade de estar realizando backup de algo que já foi feito anteriormente e que não houve alterações, criando backups duplicados. Há soluções de backups que avisam e gerenciam isto, evitando a realização de backups duplicados.

Consulte sua TI, converse sobre o assunto e não deixe a surpresa atingir a sua empresa!