Três tipos de rastreamento que sua empresa pode oferecer

Separamos três tipos de rastreamento que sua empresa pode oferecer, ampliando a carteira de serviços e dando ainda mais segurança para quem lhe contrata.

Por mais que os esforços das empresas brasileiras de segurança sejam grandes, em alguns casos, não dá pra evitar: as intrusões geram roubos. E, para a pessoa que perdeu algum pertence, o impacto é enorme. Porém, algumas tecnologias podem ajudar a minimizar os danos e até recuperar o patrimônio. A principal delas – o rastreamento – é usada de várias formas, a depender da demanda do contratante. Por isso, separamos três tipos de rastreamento que sua empresa pode oferecer, ampliando a carteira de serviços e dando ainda mais segurança para quem lhe contrata. Seguem eles:

Rastreamento veicular: tecnologia famosa a partir da década de 2000, ficou muito popular no Brasil nos últimos três anos com a redução do seu custo e devido ao alto índice de roubo de carros no País. Para utilizar deste serviço, um localizador é instalado dentro do carro e fica constantemente em contato com a central de segurança. Em caso de sinistro, a central consegue apontar o local preciso onde está o pertence roubado, facilitando o trabalho das autoridades na recuperação do bem. Agregando valor à este serviço, outras funcionalidades podem ser realizadas, chamadas de telemetria: é possível identificar como o motorista conduz o carro, a qual velocidade e até saber se um caminhão misturador de cimento está girando sua carga para o lado correto em determinado momento. Outro grande diferencial é a possibilidade de enviar comandos para o carro remotamente, como corte do sistema de ignição ou bomba de combustível.

O Brasil conta hoje com empresas especializadas só em rastreamento veicular. Porém, vale a pena você considerar essa tecnologia na sua carteira de serviços, já que muitos contratantes costumam ter veículos. Cabe destacar que é possível aplicar esse sistema tanto em clientes pessoa física – no caso, em um carro particular – quanto em uma frota de uma empresa contratante.

Rastreamento de dispositivos móveis: mais recente que o rastreamento veicular é o uso de GPS, Glonass e demais tecnologias para mostrar o paradeiro de um dispositivo móvel como tablet ou smartphone. Esses equipamentos estão cada vez mais modernos e, com os recursos nativos que têm embarcados, já podem ser rastreados pela central de segurança.

Alguns modelos específicos de smartphone já contam com soluções de rastreamento, como os modelos da Apple. Sua empresa pode, por exemplo, ter acesso ao rastreador e usá-lo em caso de sinistro, tirando esse encargo do contratante. Em casos de dispositivos móveis sem rastreamento embutido, é possível instalar o serviço e cobrar por ele.

Rastreamento de demais objetos: além de carros e celulares, outros tipos de pertences também podem ser rastreados, como cofres. Porém, essa tecnologia é um pouco mais cara e exige a instalação feita por um profissional qualificado. Para viabilizar esse serviço, um rastreador externo é acoplado ao bem e é acionado em caso de sinistro.

Pergunte ao seu fornecedor de tecnologia se ele conta com alguma solução de rastreamento de bens – de preferência, uma tecnologia que converse com sua central integrada de segurança.